Skip to main content

Ponha-se em risco

 

Quem não arrisca na vida não vive as melhores oportunidades que ela tem a oferecer. Essa é uma máxima que utilizo para persistir nessa estrada do empreendedorismo – e até agora não tem falhado. Nos momentos em que estive a beira de um colapso financeiro, a minha mente agiu de forma inteligente, as oportunidades apareceram e os negócios foram fechados. O risco estava ali, ao lado da adrenalina e do medo, mas a certeza sempre foi única e essa experiência tem sido maravilhosa.

Mais do mesmo

Seria muito fácil para mim continuar no meu emprego, ganhando um salário acima da média do mercado, com benefícios e viagens pagas pela empresa e contribuir de forma irrisória para o crescimento do meu país. Faltava (e ainda falta, mas estamos trabalhando) o meu produto, a minha obra, o meu filho. Como a paternidade, em que se acompanha uma criança, desde a gestação até ela dar seus primeiros passos. Essa é a vida que eu escolhi. E se antes eu era um cara diplomático que aceitava que amigos reclamassem de suas vidas, dava-lhes apoio e falava um pouco sobre empreendedorismo, agora eu não sou mais: se vier reclamar de sua vida comigo ouvirão todo o meu disco sobre empreendedorismo, pois agora eu sou chato com isso. É isso aí, como eu cansei um dia e senti a vontade de empreender, acredito que vocês também estejam cansados, mas ainda não perceberam que a faísca já centelhou, com o perdão do português. Falta abandonar o medo, a inércia e mais ainda, o COMODISMO. O comodismo é a razão maior para que pessoas brilhantes estejam aí, na média, infelizes em seus trabalhos.

CQD

Estamos iniciando, no próximo ano, mais um ciclo de prosperidade e oportunidades. Como dizem por aí, o cavalo selado está passando e não se pode deixar de montar. Além do mais, seja brasileiro, contribua de forma incisiva e torne seu país melhor: essa é sua obrigação como cidadão.

observação: Se você é feliz no seu trabalho como funcionário de uma empresa e não sente a necessidade de mergulhar no mundo do empreendedorismo, você não se adequa em nada do que foi dito. Então, também não precisa comentar aqui, até para não tirar o foco deste artigo e gerar algum ruído desnecessário.

Créditos da imagem: GettyImages

Felipe Pavão

Empresário brasileiro dedicado a ajudar pessoas e empresas a melhorar seu dia-a-dia com ajuda da tecnologia. Esta a frente da Xdevs. Evangelizador de WordPress, futuro mestre-cervejeiro, vascaíno, casado e baixista amador.

  • Post sensacional.

    As vezes nós precisamos nos jogar sem pensar muito no que vai ficar para trás. Também faço isso de tempos em tempos e nunca passei fome e nem morri por causa disso.

    O Melhor de tudo é que no final, o avanço e aprendizado com as minhas empreitadas inusitadas eram superiores do que a maior parte do tempo que fiquei inerte trocando hora por dinheiro.

    Esse post conta uma dessas histórias. http://ocomeco.com/2010/06/14/treinamento-como-nao-empreender/

    • Pois é Valder. Obrigado pelo comentário. Vou ser sua história também.
      Abraços!