Diversidade e comportamentos

10 de Abril – São Gonçalo – Rio de Janeiro

Nessa jornada empreendedora eu já atendi clientes dos 4 cantos do globo. É muito interessante ter de lidar com as mais variadas culturas, meios de se comunicar, idiomas (o Inglês é o padrão mas as vezes preciso usar o Espanhol) e costumes distintos. Essa diversidade tem me ajudado a entender mais o ser humano, um dos meus grandes interesses aqui no planeta. Entender melhor o outro, aceitar a diversidade de pensamentos, oferecer valor para sociedade, são atividades que venho buscando aprimoramento contínuo.

De todo modo, por mais distinto que o ser humano seja em cada canto do globo, seu cerne permanece semelhante. É interessante observar a gentileza, a satisfação, a preocupação, e quando algo dá errado, o descontentamento. Você pode falar cantônes, mas seu comportamento tende a ser igual a um americano habitante do Caribe.

O que torna mais desafiador para a minha geração é lidar com a velocidade e praticidade das gerações anteriores e posteriores. Minha geração é aquela dos anos 80/90, ou seja, estou entre aqueles que acompanharam a transformação do mundo pela tecnologia e se adaptaram, um pouco mais distante da geraçao dos meus pais, e talvez um pouco mais próximo dos jovens que já nasceram com muitas das coisas que utilizamos hoje.

Se a nova geração é bastante prática, direta e versátil, a anterior ainda segue seu próprio ritmo, e é preciso aceitar e buscar o equilíbrio nas relações. O fato é que os fundamentos tendem a permanecer os mesmos e cabe a nós (dessa geração do meio) buscar a ponte entre eles. Levar mais praticidade para os antigos, mais parcimônia para os modernos. Pelo menos é isso que eu tento fazer.

Enfim, toda essa ladainha é para dizer que amanhã terei mais uma reunião presencial, em outra cidade. Sempre que preciso sair do conforto da minha casa, todos esses questionamentos me vem a cabeça, como versatilidade, praticidade, etc. Mas como disse, é preciso buscar o equilíbrio, e trabalhar as questões sempre mostrando o lado positivo de se poupar tempo e dinheiro, evitando deslocamentos desnecessários.

Por enquanto é isso, até mais.

Hábitos, processos e progresso

9 de abril – São Gonçalo – Rio de Janeiro

Opa, tudo bem? Desculpe a poeira, mas é que eu estou voltando. Tem muita coisa acontecendo na minha vida e eu sinto que é o momento de tomar nota, tanto para me ajudar a refletir durante a caminhada quanto para buscar uma reflexão mais aprofundada.

E nada melhor do que voltar a escrever. Deve ser a enésima vez que tento criar esse hábito, mas não me envergonho de assumir ter falhado todas as vezes anteriores. Escrever é uma atividade que me dá prazer, me faz refletir, mas que não se tornou um hábito em minha vida. Como eu acredito que hábitos são apenas repetições naturais do nosso dia-a-dia, vou novamente tentar tornar essa atividade prazerosa em um hábito.

Dito isso, meu compromisso até o dia 31/12/2017 será publicar um artigo por dia neste humilde espaço. Faça chuva ou faça sol, tendo conexão ou não, inspiração ou não, eu estarei por aqui, compartilhando minhas maluquices. O processo que eu decidi adotar para moldar esse novo hábito é o seguinte: após o final do dia, por volta de 20h, irei consolidar minha rotina produzindo um artigo com algum assunto que esteja me atazanando.

O que desejo obter ao final desse projeto é possuir a naturalidade de me expressar via texto e audio (??). Afinal, todo empresário que se preze precisa saber vender seu peixe muito bem. Considero essa atividade como uma das mais básicas no amadurecimento empresarial. E não é só isso. Saber comunicar-se bem obviamente também melhora uma das grandes deficiências da humanidade que é saber ouvir. Imagina a quantidade de conflitos evitados se as pessoas se esforçassem para ouvir e comunicar melhor?

Ah sim, tem dia que não vai ter um texto tão elaborado porque eu pretendo gravar audio mesmo. Quero voltar a praticar outra paixão do passado, podcast! Sempre fui fã de rádio, e com a chegada da internet eu virei fã de podcast naturalmente. Já tive alguns, já participei de outros, e nos últimos 5 anos estacionei no lado consumidor. Agora pretendo retomar a produção de podcasts, sem um formato definido ainda. Vamos ver que bicho que dá.

No mais é isso, sigo focado em construir minha empresa ao lado de minha sócia preferida (a minha esposa), gerando valor a nossos clientes, aprendendo e melhorando dia após dia. Esse é o espírito que nos guia para alcançarmos nossa meta anual. Sim, temos meta! Espero contar com seus pitacos por aqui também. Se você estiver lendo essas linhas, é porque você é meu amigo e tem total liberdade para opinar.

Te vejo por aí.